Na última quarta-feira (21), o prefeito regional Arthur Xavier promoveu uma reunião, no auditório da Prefeitura Regional, referente a Ação Civil Pública que condenou e intimou a Prefeitura Municipal de São Paulo a remover os moradores em área de risco alto e muito alto considerada nível 4, nas Favelas Boturussu e Mungo Park, além da realização de obras e intervenções conjuntas entre os outros órgãos municipais.

O encontro contou com as presenças dos representantes das Secretarias Municipais da Prefeitura Regional /ATOS, da Habitação, dos Serviços e Obras, da Ação e Desenvolvimento Social, Defesa Civil e coordenadores e assessores da Prefeitura Regional Ermelino Matarazzo , bem como representantes da comunidade.

Na ocasião, o prefeito justificou que essa reunião teve o intuito de pedir apoio a todos, junto aos órgãos da prefeitura envolvidos nessa ação, para que possam fazer um trabalho sério e com clareza. Com isso, a Assessoria Jurídica explicou aos presentes sobre o contido no processo de eliminação da Área de risco do “Córrego Boturussú”, inclusive sobre a condenação e a multa diária de R$ 68 milhões, se caso, a Prefeitura não apresente um cronograma de ação aceitável, necessária ao integral cumprimento do Ministério Público.

Após o encontro, os participantes, entre coordenadores, técnicos, assessores, Defesa Civil e moradores visitaram a área de risco do “Córrego Boturussú”, para reconhecimento e avaliação, uma vez que se faz necessário um cronograma de ação para as intervenções e execuções de obras, por parte da Secretaria Municipal de Serviços e Obras – SMSO.

A Prefeitura Regional Ermelino Matarazzo, por meio do setor Técnico de Fiscalização e Defesa Civil, nos dias 22 e 23 de março, iniciou a ação de auto de interdição nos 64 barracos localizados a beira do Córrego. Desse universo, 56 casas foram vistoriadas, sendo que 47 receberam os autos de interdição, restando nove imóveis que estavam sem os moradores no local.

Fonte: Portal da Prefeitura/imagem divulgação

Comentários

VEJA TAMBÉM