17/06/2010

Infelizmente com pouca adesão,  aconteceu hoje, 17 de junho, o 2º Encontro do NASCE com as Comunidades e Entidades da Zona Leste, com o tema “USP Leste e Desenvolvimento Local”. No Encontro, foram discutidas a propostas feitas em abril por entidades e moradores da Zona Leste para ampliar a atuação da USP Leste na promoção do desenvolvimento da região. Entre os presentes estavam o Padre “Ticão” e o professor da USP Ulisses Ferreira de Araújo.

O Encontro foi  realizado  às 14h, no Salão da Igreja São Francisco, localizada na Rua Miguel Rachid, 997, em Ermelino Matarazzo.

Leia baixo algumas das propostas:

1ª.)= Uma antiga solicitação é que a USP-Leste tenha mais 10 novos cursos nos próximos quatro anos. Novos cursos de graduação e pós-graduação. Quais as suas propostas?

2ª.)= O importante líder da Zona Leste, Sr. Anacleto B. Pereira, daASSUAPET – Associação dos Usuários e Amigos do Parque Ecológico do Tietê,assuapet@assuapet.org.br, Cel. 7276-5517, deixa a seguinte proposta: “Quanto ao DESENVOLVIMENTO DA USP Leste, sugiro que continue atuando ativamente junto as comunidades da região e buscar junto a Diretoria do Parque Ecológico ou DAEE uma parceria efetiva de integração da universidade com o Meio Ambiente e com o Turismo Ecológico. Se necessitar de nosso apoio direto, estamos à disposição”.

3ª.)= Queremos a instalação do “Memorial do Migrante” na USP-Leste. O Projeto do Memorial está numa fase de elaboração e aceitamos suas propostas. O “Memorial do Migrante” será um grande espaço cultural e educacional para toda Zona Leste e SP

4ª.)= Vamos levar ao novo Magnífico Reitor da USP Prof. Dr. João Grandino a questão da urgência da construção dos novos prédiosque estão faltando na USP-Leste (EACH). Estas novas construções serão fundamentais para a ampliação dos novos cursos na USP-Leste.

5ª.)= O líder Ivan, presidente do CONSEG Ermelino Matarazzo/Ponte Rasa, deixa esta proposta para a USP-Leste: “Sugiro que seja criado e implantado um Polo Tecnológico e de Inovação para a Zona Leste na USP-LESTE. Para desenvolvimento de projetos inovadores e para atrair investimentos para este novos negócios. Ex: Incubadoras de empresas”.   {Prezado Ivan: leia no final das propostas a reportagem do dia 29 de Março de 2010. O Diretor da USP-Leste disse que esta INCUBADORA é a primeira de toda USP. Penso que a sua proposta foi contemplada!}

6ª.)= Que a USP-Leste (EACH) organize o “Cursinho” (Reforço pré-vestibular) para 1.000 Jovens em 2010 e cinco mil Jovens em 2011. Esta “preparação” para a Juventude da Zona Leste é fundamental, pois o ensino tem uma defasagem de cerca de três anos. O Reitor da USP, Prof. João Grandino, como o Diretor da USP-Leste, Prof. Jorge Boueri, estão interessados nesta proposta.

7ª.)= Que a USP-Leste organize visitas dos Estudantes do 3º. Ano do Ensino Médio no campus da Universidade. Que estes Estudantes conheçam os Cursos e as dinâmicas de uma Universidade Pública. Que todos os Estudantes da EACH, na medida do possível, participem desta atividade.

8ª.)= Instalar com URGÊNCIA na USP-Leste (EACH) o INSTITUTO DO IDOSO. Por muitos motivosEm 1º lugar: na Cidade de São Paulo temos 1 milhão e duzentas mil pessoas idosas. Em 2º lugar: na USP-Leste temos o Curso de Gerontologia.

Em 3º. lugar: segundo a pesquisa do SEADE, a Cidade de São Paulo é uma das piores Cidades para o Idoso viver. São Paulo está no número 503 de 645 cidades. Com o INSTITUTO DO IDOSO poderemos massificar um grande movimento PREVENTIVO, EDUCATIVO com a população idosa e assim a Zona Leste poderá chegar em 4 anos (2010-2014) no número 300 entre as

645 Cidades do Estado de São Paulo. Com certeza muitos idosos vão até poder jogar na Copa do Mundo de 2014 e a maioria dos Atletas das Olimpíadas de 2016 serão idosos da Zona Leste, a exemplo do Corinthians. Brincadeiras à parte, é urgente um grande PLANO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O POVO DA TERCEIRA IDADE DE ZONA LESTE E DA CIDADE DE SÃO PAULO. A Cidade mais rica do Brasil não pode continuar sendo uma das piores para tratar os idosos.

9ª.)= Instalar na USP-Leste (EACH) a Clínica de Reabilitação Luci Montoro.

10ª.)= Que a USP-Leste tenha um OBSERVATÓRIO SOCIAL DA ZONA LESTE (e da Cidade). O “Observatório Social”, entre muitas contribuições, poderá publicar os indicadores sociais e assim direcionar as Políticas Públicas. Nota-se uma falta de informações para os Poderes Públicos e Organizações Sociais sobre os INDICADORES SOCIAIS. Hoje são fundamentais estas informações para que as Políticas Sociais tenham rumos e impactos na qualidade de vida e cidadania. Que a USP-Leste publique, semestralmente, suas pesquisas dos indicadores sociais da Zona Leste e da Cidade. Palavras do novo Reitor da USP, Prof. João Grandino: “A UNESP é a Universidade que mais contribui para as Políticas Públicas do Estado de SP”.

11ª.)= PEDAGOGIA SOCIAL: Minha proposta para a USP Leste é a criação de um curso de graduação, e posteriormente de pós-graduação lato e stricto sensu em Pedagogia Social. A Educação Social está em vias de regulamentação no Congresso Nacional e há um amplo movimento nacional, tanto pelo reconhecimento da profissão quanto pela organização dos educadores sociais como categoria profissional. Hoje estes são chamados pejorativamente de arte-educadores, oficineiros, práticos, mestres, etc., e as práticas educativas que exercem também pejorativamente denominada Educação não formal. Fizemos levantamento sobre o universo das ONGs na Zona Leste e há alguns milhares de jovens envolvidos em práticas de educação popular, social e comunitária e um curso de graduação em Pedagogia Social significaria tanto a formação pedagógica destes educadores quanto a sua profissionalização. E temos na Feusp um bom acúmulo nesta área, inclusive com o III Congresso Internacional de Pedagogia Social, de 21 a 24.04.2010. Veja www.usp.br/pedagogiasocial. III CIPS:psocial@usp.br 2/4/2010, Elie Ghanem, elie@usp.br

12ª.)= MUDAR O ESTATUTO DA USP QUE IMPEDE CURSOS NA USP-LESTE: “Olá! Atendendo a solicitação, enquanto membro da comunidade, considero que a melhor sugestão para a USP Leste é algo simples e que já foi discutido anteriormente durante a implantação da Unidade USP Leste. Quando da mobilização da comunidade pela implantação da USP na Zona Leste, muito se questionou sobre quais cursos deveriam fazer parte da grade curricular. A primeira e única barreira foi o Estatuto da Instituiçãoque impedia e impede a repetição de cursos dentro do município. O assunto foi plenamente, porém insatisfatoriamente, discutido, sem que o referido Estatuto fosse modificado. Hoje, vemos cursos “alternativos” sendo ministrados, quando a necessidade real são: mais vagas nos cursos pré-existentes. Fico imaginando a Prefeitura de SP ou o Governo do Estado criando novos cursos a cada escola que inauguram, porque uma regra idiota e absurda impede a repetição dos existentes. Já imaginaram se a regra valesse para todas as instituições, inclusive as particulares? Quantos cursos na área de Medicina ou Engenharia? Quantos cursos na área de Matemática poderíamos criar ou inventar? De que adianta ter mil cursos aqui na Leste se o que interessa ao futuro universitário é o que tem lá na USP Sede? Acho que reacender essa discussão é o primeiro e melhor passo para transformar a Unidade Leste da tão conceituada USP num Campus com os mesmos benefícios e vantagens da Unidade Sede. Se existem entraves legais e burocráticos, vamos buscar soluções para modificá-los a nosso favor ao invés de ficar inventando”. Um abraço. Paulo Antonio de Oliveira. Fone: 8656-0333 / 2025-4095, Itaim Paulista.

13ª.)= Minha Proposta para USP LESTE é a Implantação de Curso de Medicina e Odontologia. Não custa Sonhar! Um abraço, Jorge Macedo dos Santos, Centro Social Leme do Prado, Paróquia N. Sra. das Graças – XV de Novembro – Itaquera.

14ª.)= “Proponho que a USP-Leste apresente  curso de educação em saúde pública, acredito na importância deste curso por sentir falta deste profissionais nas unidades de saúde, são educadores que contribuem dentro das unidades nos grupos de orientações e educação em saúde pública para a população”. CELIA AP. ASSUMPÇÃO, assumpsol@hotmail.com

15ª.)= Proposta: Implantação de Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares. (2 de abril de 2010 05:09, Beth Seno, bethseno@gmail.com, escreveu:

“Car@s, envio consulta de propostas para a USP Leste que o Pe. Ticão pretende realizar {todos os anos?} no mês de abril. Seguem algumas delas anexas: “Aproveito a deixa para pedir apoio para a proposta de realização anual de uma Feira de Economia Solidária em paralelo à Feira do Livro da EACH e solicitar que o diretor autorize a sua realização em um espaço maior.  Por fim, Pe. Ticão nos informa que já foi assinado acordo para a implantação da Primeira Incubadora de Empresas de Base Tecnológica da Zona Leste. Ela será na EACH. Quando da apresentação do projeto no campus: instalação de pólos de telemarketing, construção de estádio, trem bala para o aeroporto – perguntamos para o representante da Prefeitura se não havia uma Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares. O representante nos respondeu que Cooperativas Populares não trariam desenvolvimento para a região. Desse modo, seria importante pedirmos o projeto para a Diretoria, ler, analisar e decidir se é mais apropriado a EACH subsidiar implantação de telemarketings na região, cujas propostas de empregos são precárias; ou projetos de incubação de cooperativas populares que são uma estratégia de enfrentamento e superação da exclusão social e da precariedade das relações de trabalho. Boa Páscoa a tod@s, Beth.

16ª.)= Proposta do GERRY – Diretor do FDZL e CONSEG A.E.CARVALHO –  “É muito importante que tenhamos na USP-Leste cursos de ponta, de alta tecnologia agregada, que venham contemplar as necessidades do mercado, sabemos que a ABINEE tem um projeto de crescimento e pretende incluir a Zona Leste neste objetivo, portanto temos que preparar o profissional do futuro, sabemos que a integração viária que nos colocará no corredor de exportação em futuro breve, necessitará também de mão de obra qualificada, outro exemplo é a importação de desenhistas de software que o Brasil está fazendo, justamente por não termos os números ideais de formandos nesta área, para os próximos anos serão necessários algo em torno de 100.000 formandos e, segundo nos foi passado, estaremos formando apenas 10% desta necessidade ano”. Sintetizando “É NECESSÁRIO QUE TENHAMOS CURSOS DE REFERÊNCIA E NÃO CURSOS DE SEGUNDA LINHA PARA QUE O JOVEM DA ZONA LESTE TENHA CADA VEZ MAIS REMUNERAÇÃO DIGNA DE GRANDES PROFISSÕES. Espero que as colocações de alguma forma contribuam para nossas reflexões.”

Também aprovo na USP-Leste o Instituto do Idoso. É muito importante em um país que vê aumentar o número de idosos e mais ainda, para melhorar a qualidade de vida do mesmo, com políticas sérias para contemplar os que trouxeram este pais até aqui” Gerry, j.gerryconforto@terra.com.br

17ª.)= Uma proposta para a EACH (USP-Leste) é um estudo/pesquisa sobre a questão da costura dos

trabalhadores/as na Zona Leste. Acontece uma relação do trabalho da costura na Zona Leste e Cidade que chega a desumanização… Que contribuição a USP-Leste pode fazer acontecer, já que tem uma faculdade nesta área. Envolve a questão de imigrantes Latino-americanos…

18ª.)= seguem algumas sugestões que considero importantes para serem incorporadas:
1. Revisão da legislação que proíbe a duplicação de cursos no mesmo município. Em uma cidade como São Paulo, a oferta de 2 cursos semelhantes (no campus Butantã e Leste) não significa dispêndio incorreto de recursos;
2. Regulamentação e revisão da atual formação profissional dos cursos oferecidos de modo a superar os impasses que os alunos sofrem para o exercício da profissão;    3. Levantar demandas de políticas afirmativas (permanência em melhores condições) de alunos que são egressos de escolas públicas. Abraço.  Marilia.
19ª.)= 1)= CURSOS DE GRADUAÇÃO de Biblioteconomia e Serviço Social.  02)= Cursos de PÓS-GRADUAÇÃO COMO: sob. Relações Étnicas raciais, Meio Ambiente e Terceiro Setor.  03)= Criação de pólos de graduação via EAD
04)= Grupos de leitura, encontros presenciais mensais  de incentivo à leitura.  05)= Aplicação das cotas no vestibular não apenas de 10% que é a menor porcentagem de uma universidade, mas a aplicação das cotas com  indicação de quantidade para negros, índios e deficientes físicos e pessoas vindas de escolas públicas. Porque esta universidade dá 10% de cotas a todos,  e colocam todos em um bolo só,  como se todos fossem iguais e tivessem as mesmas oportunidades e sabemos que não é assim. Esta universidade deixa claro que prioriza e sempre priorizou a elite de são Paulo. Adelina Maria Martins, Gestora e Produtora cultural, e-mail: pontoleitura@gmail.com
20ª.)= “Proponho a abertura de Pós-graduação na área de Enfermagem na USP Leste, assim como o curso de bacharelado em Enfermagem propriamente dito. Também sugiro que haja Pós-graduação na área de enfermagem na USP Leste e que os cursos de graduação tenham atrativo profissional não só aos jovens, mas para adultos, levando em consideração o não reconhecimento de alguns cursos que já existem na USP Leste, torna-se um risco investir em um curso que não há rentabilidade profissional no futuro”. Nada mais, Enfermeira Sulivania, Cidade Pedro Nunes, suli_vania@hotmail.com

21ª.)= Desenvolver na USP-Leste um Centro de Educação à distância com meios eletrônicos para apoiar os cursos/oficinas que serão desenvolvidos com movimentos comunitários e para os cursos pré-vestibulares. (Juan de Onis,   sinoed@gmail.com).

22ª.)= “Sugiro que a USP se abra aos professores da rede pública estadual, que crie e divulgue cursos para nós, para nosso aperfeiçoamento e consequente melhora do ensino público, que se comprometa com a educação estadual, uma vez que todos somos funcionários estaduais!”. (Maria Elizete Gonçalves,  meg37@estadao.com.br)

23ª.)= A ANVISA aprovou oficialmente os “remédios caseiros”. Que a USP-Leste faça extensão deste assunto com a população da Região Leste. (Luis Carlos Santos, Cidade Tiradentes, Zona Leste).

24ª.)= Criar um Projeto de Lei para que os Postos de Saúde tenham gerontólogo, pois em 2024 teremos mais Idosos do que Crianças em São Paulo, segundo o Seade. O SEADE também diz que a Cidade de São Paulo é uma das piores cidades para o Idoso viver.

25ª.)= Criar um Projeto de Lei para que todas as Vilas/Jardins de 10 a 15 mil habitantes tenha um agente de Lazer. O Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns dizia: “O Lazer é tão importante como a alimentação”. Um agente de Lazer numa Comunidade é fundamental para a sociabilidade, a ocupação do tempo, o empoderamento pela população das Praças e Espaços úteis para Lazer, Cultura, etc…

Comentários

VEJA TAMBÉM