15/12/2010

Espírito de equipe, garra, união e técnica estava sobrando entre as garotas da equipe de handebol do Colégio Drummond ( Ponte Rasa), dia 12 de Dezembro no município de Goiânia.

Depois de passarem por várias etapas desse evento esportivo, as jovens atletas não só chegaram à grande final, onde disputaram com as paranaenses do Colégio Itacelina Bittencourt, como também venceram esse jogo, por 26 a 25.
Com esse resultado, levaram a medalha de ouro para a casa, o que as nomeou Campeãs Brasileiras das Olimpíadas Escolares (Divisão Especial), como representantes de São Paulo.
De acordo com Caroline Leite, de 16 anos e ponta-esquerda do time, a etapa mais difícil da chave foi a primeira, onde as meninas disputaram exatamente com o mesmo time da final, as paranaenses do Itacelina Bittencourt.
A atleta diz que o ingrediente mais importante em um time é a união e a comunicação, pois para um grupo estar alinhado é necessário a conversa entre as jogadoras dentro da quadra. E que essa vitória é fruto de muita união e fé em Deus.
Para conseguirem chegar até a fase final, as garotas tiveram que conquistar o título de campeãs da Capital, campeãs Estaduais e só assim iniciar a conquista pelo título Brasileiro.
A meia-direita, Carolina Lourenço, resumiu em uma frase o que foram todos esses dias de trabalho e desafios: “ Foi especial, porque era o último ano de Colégio da maioria das meninas do time e ter conseguido esse título para o treinador e para a escola, não tem preço.”
Rotina dos Treinos
Paulo Goulart, técnico da equipe, faz a sequência dos treinos semanais para auxiliar no desenvolvimento e aperfeiçoamento do grupo nos momentos de decisão.
São três dias da semana de exercícios diferenciados, por aproximadamente 5 horas.
As segundas, fazem corridas leves, treinos táticos, musculação e circuito; as quintas trabalham os braços e pernas, realizam corridas mais intensas e recebem o treinamento tático; já as sextas ficam na musculação e nas técnicas de jogo em quadra.
Profissional da área há 19 anos, Paulo Goulart, acompanha o time desde 2008 e diz que não tem palavras para explicar a tamanha importância desse torneio.
“São Paulo nunca ganhou esse campeonato especial de handebol feminino, que já é disputado ha mais de 10 anos. Essa é a primeira vez.”, diz Goulart.
Paulo diz que elas são o que tem de melhor no seu trabalho, que não são as melhores jogadoras de handebol do Brasil, mas é aquele time que consegue tirar das dificuldades o melhor.

Fonte: Colégio Drummond

Comentários

VEJA TAMBÉM