11/10/2004

Cinco pessoas foram mortas na zona Leste de São Paulo por volta das 21h30 deste domingo. Entre as cinco vítimas, há uma menina de apenas nove anos. O crime ocorreu no interior de um barraco, localizado à Travessa dos Sabugueiros, na Favela Santa Inês, no Jardim Belém. Helena Aparecida Camilo Rodulov, de 41 anos, é a única adulta entre os mortos.

As vítimas distraíam-se dentro do barraco, jogando cartas, quando perceberam a passagem de um desconhecido pela rua. Desconfiada, Helena fechou a porta, mas, minutos depois, um encapuzado, portando uma pistola, invadiu a residência e começou a atirar contra todos. O assassino ainda teve tempo de recarregar a arma e reiniciou a barbárie contra a família. Pelo menos quatro pessoas que estavam dentro da casa conseguiram escapar sem ferimentos, mas sete acabaram baleados e cinco morreram na hora, incluindo Helena.

Também morreram a filha dela, Jéssica Aparecida Camilo Rodulov, de 14 anos, e a menina Natalia Tuane R. da Costa, de nove. Os outros mortos são Natalie de Paula Leite, de 17 anos, e Reinaldo Porcino Lopes, de quinze. Willians Camilo Rodulov, de 22 anos, e Franciele dos Santos Prudente, de dez, foram levados para o Pronto-Socorro do Hospital Municipal Prof. Dr. Alípio Correa Netto. Ferido no braço direito, Willians foi medicado e liberado, mas a menina Franciele continua internada em estado grave. A Polícia suspeita do envolvimento de um homem identificado apenas como “Jabá”, que está sendo procurado.

Jabá teria praticado o crime como vingança pelo assassinato de seu filho, morto há alguns anos e que fora namorado de uma das vítimas. A chacina foi registrada no 63º Distrito Policial, na Vila Jacuí, e será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Essa é a 20ª chacina registrada somente neste ano na Grande São Paulo, elevando para setenta o número de mortos e para treze o de sobreviventes. A última chacina havia ocorrido na mesma região de Vila Jacuí, no dia 12 de setembro. Na ocasião, quatro pessoas foram executadas.

Fonte: Estadão

Comentários

VEJA TAMBÉM