Criado em 2012 por artistas e ativistas culturais de Ermelino Matarazzo e Cangaíba, o Slam da Guilhermina é um dos mais antigos da cidade. Na época, esse tipo de competição ainda era pouco conhecida, mas tem se consolidado como uma das expressões mais populares da cultura urbana e periférica.

A ideia de criar um evento que levasse a competição para as escolas foi pensada por  Emerson Alcalde, um dos fundadores do coletivo, quando representou o Brasil na Copa do Mundo de Poesia Slam, em Paris.

“Ele percebeu que tinha escolas de várias partes da França e os alunos frequentando freneticamente, com cartazes representando a escola, torcida e muito barulho. Foi então que pensou em fazer uma parada mais ou menos igual aqui no Brasil”, conta Uilian da Silva Santos, 35, o Uilian Chapéu, matemático e o organizador do Slam da Guilhermina.

Uilian acrescenta que iniciativas como os Slams aproximam o espaço escolar das realidades vividas pelos alunos. “Eu não gostava de poesia, achava chato, tinha aquele preconceito. Mas eu adorava rap e foi o Sérgio Vaz, com o Sarau Rap, que fez eu me questionar. Como Sarau Rap? Que que isso? Poesia, rap… Foi aí que eu fui conhecer e entender. Hoje eu trabalho com poesia.”

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

« 
 »