06/09/2011

A Secretaria Municipal de Participação e Parceria, a Subprefeitura Ermelino Matarazzo /Ponte Rasa e o Comuda, realizaram na última quarta feira, 1º, no auditório do Hospital Alípio Correa Neto, a Pré-Conferência de Participação e Atenção às Drogas. A iniciativa está percorrendo todas as subprefeituras, para mostrar à população a gravidade da dependência química e os resultados positivos que as associações estão tendo em relação aos dependentes.

O Comuda, Conselho Municipal de Políticas Públicas de Drogas e Álcool, existe desde 2002 e tem como foco mostrar a prevenção das drogas para as crianças e adolescentes através de palestras, eventos e conferências.

A palestrante Monica Leite – psicóloga especialista em dependência química e assistente do Sr. José Florentino dos Santos Filho, presidente do Comuda – afirmou que a dificuldade do dependente químico não é apenas problema da família do indivíduo em questão, e sim problema da sociedade como um todo: “Nós já temos uma linguagem desse meio, que diz assim: ‘o problema de drogas é com todo mundo’. O problema da dependência química não é só do dependente e da família dele, por que eles sozinhos não dão conta. Então, a saúde, a segurança, a educação, tudo deve estar envolvida dentro deste contexto, o que a gente pode fazer em relação a isso. Cada um deve fazer o seu papel.”

Segundo ela, todos devem estar envolvidos no problema das Drogas, inclusive autoridades e educadores : “O que o pessoal da segurança vai fazer em relação a isso, vai inibir o tráfico, vamos ter leis mais rígidas, como que a gente cuida da família, por isso eu falei que é um problema nosso, o mundo tem que se responsabilizar, qual é o meu papel em relação as drogas, a gente fica empurrando um pro outro e ninguém resolve nada. E o problema é nosso, por que afeta todo mundo, a nossa sociedade fica mais pobre quando o consumo de drogas aumenta principalmente problemas de saúde, os problemas judiciais e aumenta os problemas das famílias e tudo isso tem um custo econômico, social e emocional que envolve todo mundo”

São disponibilizadas várias maneiras de se ajudar um dependente químico e um deles é a Ação Integrada. Equipes são espalhadas pelas ruas atrás de pessoas que estejam precisando de ajuda. Esses indivíduos são levados para os Amas e Caps, são encaminhados para instituições e recebem um acompanhamento de um tutor do caso. Esses dependentes são internados e após a saída eles são levados para moradias assistidas no período de seis meses.

O grande problema é reinserir o jovem dependente na sociedade e na educação. Por isso, é importante ter o apoio das famílias, para eles conseguirem empregos, uma moradia e poder voltar aos estudos. É importante que o jovem consiga permanecer com um tratamento psiquiátrico.

A Monica diz ainda que a conferência é um grande avanço para resolver este grande problema, que está em busca de soluções: “A conferência municipal é um recurso legal para gente discutir sobre o problema e partir para uma solução. Nós temos um mapa de tudo que foi discutido nas reuniões e a partir dessas discussões a gente começa a pensar melhor como nós podemos resolver esse problemas dentro do município de São Paulo, por que a conferência é municipal. São Paulo é grande, por volta de 11 milhões de habitantes e quando a gente discute nós pensamos em leis e isso é levado para os representantes das conferências estaduais e federais.”

O evento também contribuiu com eixos fundamentais na luta contra as Drogas:

• Desenvolver programas e ações continuadas para prevenção de uso e abuso das drogas e dependência do álcool e drogas;
• promover eventos e publicações que visam aumentar o conhecimento da população;
• estimular ações comunitárias de prevenção;
• garantir efetiva fiscalização no sentido de investir nos cumprimentos da lei;
• ampliar a capacitação de profissionais para possibilitar programas de prevenção, orientação e tratamento;
• ampliar as várias alternativas de tratamento com ênfase na atenção ambulatorial;
• assegurar recursos públicos para atender as necessidades de implementação e
• buscar ajudas nas subprefeituras.

Fonte: Subprefeitura E.M.

Comentários

VEJA TAMBÉM