28/02/216

encerramento das atividadesReportagem realizada pelo Jornal Estadão revela o declínio no faturamento do comércio  segundo levantamento do Sebrae-SP. Este é o pior cenário desde 2012. E para exemplificar esta situação econômica, um empresário de Ermelino Matarazzo foi entrevistado.

Na prática, essa movimentação é protagonizada por pessoas como Tiago Augusto Pinto, que atuava como comerciante no bairro de Ermelino Matarazzo, zona leste da capital paulista. Ele chegou a ter três lojas na região e 15 funcionários, mas no fim do ano passado fechou as portas da última loja, uma perfumaria que manteve por 20 anos.

“Foi terrível, mas pelo menos eu não fiquei devendo nada para funcionários ou fornecedores”, diz o paulistano que, agora, procura formas de quitar um débito no banco estimado em R$ 400 mil, com juros e correção monetária. “Acho que eu errei em continuar investindo quando a situação já estava ruim. Se eu não tivesse acreditado que a economia voltaria aos patamares de antes de 2014, acho que estaria numa situação mais confortável hoje”, analisa.

Mesmo sem o número total de 2015, o número de negócios que fecharam as portas de janeiro a agosto de 2015 alcança 302.732 empreendimentos, 8,62% mais comparado a toda movimentação nas juntas comerciais no ano cheio de 2014 – 42% superior ao balanço de janeiro a dezembro de 2013.

Fonte: Estadão PME/imagem ilustrativa

Comentários

VEJA TAMBÉM