Envie esta notícia para seus amigos de Ermelino e Ponte Rasa

17/01/2018

Uma fila circundando o quarteirão do Ambulatório de Especialidade Vila Paranaguá próximo da conhecida rua da feira de quinta chamou atenção até da Rede Globo que transmitiu as imagens pelo Globocop, helicóptero da emissora. Todos eles estavam em busca da vacina contra febre amarela e a Guarda Civil Metropolitana foi acionada para garantir a segurança. Na espera logo pela manhã era possível  observar a presença de muitos idosos e mães com seus filhos. Ambulantes aproveitaram a oportunidade e ofereciam pipoca, café, bolo e até mesmo assentos. 

Segundo Ana Pio, “tem que dormir de um dia para o outro na fila. Às 8h já acaba as 1000 senhas. Fui às 4h e saí as 9hs…Isso sendo preferencial. Tá um caos!”

Já   Stephanie Miriã Almeida   disse que “as pessoas estão chegando a 1 hora da manhã para tomar a vacina,  Sei disso porque fui 4 vezes lá para conseguir tomar a vacina. Cheguei às 8:50 e sai dela as 17:10.

Sintomas

febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

 

Transmissão

febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central, além de em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão, pois o vírus e a evolução clínica são os mesmos — a diferença está apenas nos transmissores. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o 

mosquito-febre-amarela

mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue). A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacinacontra ela circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Prevenção

Como a transmissão urbana da febre amarela só é possível através da picada de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação. Os mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Qualquer recipiente como caixas d’água, latas e pneus contendo água limpa são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se na água, se tornarão novos mosquitos. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do “fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

A população de e São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia receberá a dose fracionada da vacina de febre amarela. A meta é vacinar 95% de 19,7 milhões. O objetivo é evitar a circulação e expansão do vírus. A dose padrão da vacina continuará sendo administrada em alguns grupos conforme a tabela abaixo.

Fonte: fiocruz e emjornal/imagem: Cláudio Nicomedes

Comentários

VEJA TAMBÉM