10/11/2017

macacosO governo do Estado de São Paulo anunciou nesta sexta-feira, 10, o fechamento do Parque Ecológico do Tietê, na zona leste paulistana, após a confirmação de mais um macaco morto infectado com febre amarela. Esse é o 16.º parque fechado em São Paulo após mortes de macacos – o primeiro fora da zona norte. Também nesta sexta, o governo estadual anunciou que a vacinação contra a doença será estendida para dois barros na zona leste e mais 15 municípios da Região Metropolitana de São Paulo.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, o macaco veio de Cajamar, na Grande São Paulo, com sinais de que tinha sido eletrocutado e foi atendido no Centro de Recuperação de Animais Silvestres que fica dentro do Parque Ecológico do Tietê. De acordo com o Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), o animal foi levado pela Polícia Ambiental para o centro no dia 20 de outubro e morreu no dia 26. O macaco ficou isolado em uma gaiola e, após o óbito, a infecção pelo vírus foi confirmada. 

Não se sabe se o macaco foi contaminado em Cajamar ou no Parque Ecológico do Tietê. Mas, dado o risco de que ele tenha sido infectado no parque ou contaminado mosquitos na região, o equipamento ficará fechado temporariamente, a partir desta sábado, 11, como forma de prevenção, segundo anúncio feito pelo secretário estadual da Saúde, David Uip. 

Segundo Uip, os moradores dos bairros do Jardim Piratininga e do Jardim São Francisco, próximos do parque, serão vacinados. Os funcionários do local, que recebe 4 mil pessoas por dia e 40 mil nos fins de semana, também serão imunizados. Até então, a vacinação contra a doença na capital ocorria só em regiões perto de parques na zona norte do Município.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo informou que a vacinação nos dois bairros será feita casa a casa. “As equipes de saúde da Prefeitura vão diretamente nas residências dos bairros citados”, informou a Secretaria Municipal da Saúde. Segundo a pasta, não é necessário que a população desses bairros procure os postos de saúde. Oito mil pessoas serão vacinadas nesses dois locais, informou Uip. “Provavelmente o mosquito não vai atravessar a rodovia”, disse o secretário estadual.

Sintomas

Os sintomas da febre amarela surgem cerca de 3 a 6 dias após a picada de um mosquito Haemagogus Sabethes infectado com o vírus, sendo esta chamada de fase aguda da doença.

Depois da fase aguda, os sintomas podem desaparecer por 1 ou 2 dias, porém rapidamente surgem outros sintomas, mais graves, que podem levar à morte, dando origem à fase tóxica da febre amarela.

Numa fase mais avançados, podem surgir os sintomas da fase tóxica que são:

  • Icterícia, caracterizada pela pele e olhos amarelos;
  • Dor abdominal;
  • Vômitos com sangue;
  • Sangramentos pelo nariz, boca e olhos;
  • Doença dos rins e do fígado;
  • Problemas cardíacos;
  • Convulsões.

A febre amarela não se transmite entre pessoas, sendo transmitida apenas pela picada do mosquito e, por isso, a única medida de prevenção para a febre amarela é através da vacinação.

O que fazer em caso de suspeita

Em casos de suspeita de febre amarela é muito importante ir rapidamente a um pronto-socorro para fazer um exame de sangue e confirmar a presença do vírus. É também aconselhado não tomar nenhum medicamento em casa, pois podem conter substâncias que piorem os sintomas da doença.

Todos os casos de febre amarela devem ser sempre notificados para as autoridades sanitárias, pois esta é uma doença com alto risco de provocar um surto.

Como é feito o tratamento

O tratamento da febre amarela serve apenas para aliviar os sintomas da doença, pois não há nenhum tratamento para eliminar o vírus. Dessa forma, normalmente é feito com internamento no hospital para fazer remédios analgésicos e antitérmicos, como o Paracetamol, diretamente na veia, de forma a reduzir as dores e a febre.

Durante o tratamento, é muito importante evitar tomar medicamentos com ácido acetilsalicílico, como a aspirina, pois essa substância aumenta o risco de desenvolver hemorragias, que podem colocar em risco a vida.

Fonte: Estadão/Tua Saúde. imagem de arquivo

Comentários

VEJA TAMBÉM