15/04/2018

Moradores e comerciantes do centro de Ermelino Matarazzo, representada pela internauta Miriam Martins,  estão associando o aumento da criminalidade no entorno à transformação do Hotel Turismo da Avenida Paranaguá, 2074, em Centro de Acolhida de moradores de rua.  Segundo ela, depois que o prédio locado por R$ 15 mil mensais pela Secretaria de Assistência Social passou a abrigar essas pessoas, a Agência do Correio que fica ao lado foi roubada, o Supermercado Dia, também ao lado,  teve um assalto à faca, mais adiante uma perfumaria  foi roubada e um ciclista que passava por ali foi atacado. A internauta ainda associou a presença dos novos beneficiários ao aumento de lixo com consequente atração de ratos e  falta de respeito dos mesmos com seu linguajar esdrúxulo e pornográfico além do comprometimento da segurança da Festa do Primeiro de Maio.

Reportagem feita pelo Portal da Rede Record apontou que vários hotéis do centro da cidade que abrigavam usuários de drogas da região conhecida com cracolândia foram interditados por péssimas condições de higiene (insalubridade) como na foto ao lado, e serem totalmente inadequados para a recuperação dos dependentes químicos. Uma das saídas foi o envio desses beneficiário para regiões periféricas, entre elas, Ermelino Matarazzo.

A hospedagem de dependentes químicos em hotéis sociais fazia parte do Programa de Braços Abertos, regulamentado por Decreto Municipal em 2014. O programa tinha como objetivo promover a reabilitação de pessoas em situação de vulnerabilidade social e uso abusivo de drogas por meio da promoção de direitos e de ações assistenciais, de saúde e de prevenção.

“O atendimento alternativo ao hotel social, fornecido pela Prefeitura de São Paulo, além de insuficiente, pelo déficit de vagas, é pior do que aquele fornecido no âmbito do hotel social e não possui finalidade específica para a reabilitação psicossocial”, diz a ação da Promotoria que resultou na liminar.

Fonte: R7 e moradora/imagem reprodução

Comentários

VEJA TAMBÉM