30/06/2018

Na missa do dia 08 de julho às 9:30 o Padre Ticão irá comemorar 40 anos de sacerdócio.

Paulista de Urupês, Antonio Luiz Marchioni, 66, conhecido como Padre Ticão, chegou a São Paulo há 41 anos, após apoiar greves de bóias-frias e de professores na região de Araraquara (SP). “No interior, me chamavam de comunista”, diz ele. “Aqui, dom Paulo Evaristo Arns sempre me apoiou.”
Ele já invadiu, ao lado de fiéis, o prédio da Secretaria de Estado da Habitação, nos anos 80. Queria pressionar o então governador Franco Montoro (1983-87) a construir conjuntos habitacionais. Fundou creches e centros de apoio ao idoso. Hoje fala com orgulho da implantação de bibliotecas nas comunidades católicas. Questionado se as ocupações não desguarneciam o cuidado com a vida espiritual dos fiéis, disse que corpo e alma estão unidos.

Além dessa diversidade católica, o padre professa um credo político pragmático e multicolorido. Ao mesmo tempo em que se declara fundador “decepcionado” do PT e apóia alguns deputados do partido “que fizeram algo pelos pobres”, fala com carinho de um tucano. “Mario Covas foi quem mais fez casa na periferia.”

Assista sua última entrevista na TV Câmara no início deste mês:

Comentários

VEJA TAMBÉM