19/11/2011

Alexandre Buzo divulgou na edição do dia 19/11 do “SPTV 1ª Edição o trabalho cultural desenvolvido pela organização “Periferia Invisível” da V. Cisper que atua nas dependências a Igreja Santa Luzia.

Saiba mais

O que é Periferia Invisível?

O projeto sociocultural Periferia Invisível é uma iniciativa de moradores da região leste da cidade de São Paulo a fim de promover, incentivar e tornar viável a criação e produção cultural, bem como a utilização de equipamentos e serviços culturais e artísticos, públicos e privados, na Zona Leste, pela população local.

O que pretendemos?

O projeto Periferia Invisível possui basicamente dois focos, interligados entre si:

1) O objetivo maior e razão de existência do projeto: promover a arte e a cultura na Zona Leste, tornando a população local capaz de produzir e não apenas de consumir.
Ressaltamos, entretanto, que essa difusão cultural a qual pretendemos, diferentemente de muitas iniciativas ditas socioculturais, não possui caráter assistencialista. Não fazemos isso porque acreditamos que a cultura seja uma forma de tirar os jovens da marginalidade ou de diminuir a criminalidade, mas sim porque acreditamos que na periferia existem pessoas perfeitamente capazes de produzir arte e cultura, de contribuir para a construção de novas idéias, de modificar o ambiente em que se encontram, enfim, de fazer a diferença. Muitas vezes, porém, essas pessoas não conseguem encontrar, em sua região, espaços adequados para mostrar o seu trabalho, tendo que migrar para outra zona da cidade, quase sempre regiões nobres, causando assim um empobrecimento cultural na periferia, que carece de manifestações artístico-culturais.

2) O segundo foco do projeto deriva do primeiro. Notamos que existe na periferia, justamente devido a esta carência de manifestações culturais, um desinteresse da maior parte da população pela arte e cultura. Acreditamos que ao fazer esta população entrar em contato com a arte/cultura e fazendo com que ela saiba que é possível criar, que é possível produzir, dando todos os recursos necessários para que ela faça isso não há como esta população não se interessar e não se desenvolver neste aspecto. Então, nosso segundo foco é basicamente este: mostrar para a população da periferia que ela não precisa apenas consumir aquilo que vem de outras regiões da cidade e que pra ela é, muitas vezes, desinteressante: os moradores da Zona Leste podem se manifestar, podem e devem criar e produzir sua própria arte, sua própria cultura e promovê-la a partir de equipamentos culturais dentro de seus próprios bairros.

Como Atuamos?
O projeto Periferia Invisível atua tanto na formação cultural, através de oficinas culturais, quanto na promoção cultural, através de eventos.

1) Oficinas
As oficinas do projeto são realizadas semanalmente em espaço cedido pela Igreja de Santa Luzia, em Ermelino Matarazzo. Elas ocorrem em duas frentes: oficinas de teatro e oficinas de música. As oficinas de teatro ocorrem aos sábados com o oficineiro Hamilton Fernandes, atualmente cursando Artes Cênicas na Universidade Anhembi Morumbi e com bastante experiência na área. As oficinas de música ocorrem aos domingos com o oficineiro Binho Santana, também com conhecimento e experiência vasta na área.

2) Eventos
Marca registrada do Periferia Invisível, os tradicionais saraus são os principais eventos realizados pelo projeto. Nestes saraus, contamos com as mais diversas apresentações de toda e qualquer forma de expressão artístico-cultural, desde música, teatro e dança até improvisações de poesias e beatbox. Toda forma de arte é bem vinda.

Além destes já tradicionais eventos, também trazemos espetáculos artísticos das mais variadas artes e grupos para se apresentarem em nosso espaço.

3) Projetos Próprios
O Periferia Invisível também trabalha com projetos próprios e já produziu dois espetáculos originais. O primeiro, “O Excluído”, com direção e texto de Hamilton Fernandes ficou em cartaz no Espaço do Invisível durante várias semanas e atualmente está sendo levado a outros locais, como foi o caso do CEU Quinta do Sol, por exemplo. A segunda produção do Periferia Invisível foi o espetáculo musical “A gente pena, mas não pára”, resultado das oficinas de música e teatro, com produção musical de Binho Santana e teatral de Joara Fernandes. O espetáculo também ficou em cartaz em nosso espaço e será levado a outros locais em breve.

Assista o vídeo:

Fonte: Periferia Invisível e Rede Globo de Televisão

Comentários

VEJA TAMBÉM